Altos Contrastes – Francês e Inglês

R$350,00

Categoria:

Descrição

CONTEÚDO DAS AULAS

  • Pequena introdução teórica
    Das diversas maneiras de encarar as estruturas sintáticas sem se prender à nomenclatura. Por que estudar a frase do ponto de vista estrutural?
  • Aula 1: Os segredos da flexibilidade, a versatilidade da língua portuguesa.
    O que distingue a língua portuguesa de outras línguas, como o inglês e o francês?
  • Aula 2: Pronomes relativos, noções básicas.
    O pronome relativo desempenha funções dentro da frase. Aprender a distingui-las é fundamental para o bom desempenho na escrita.
  • Aula 3: Voz passiva, estudo mais detalhado da partícula “se”.
    Dos diversos tipos de voz passiva. Discussão em torno da voz passiva sintética e analítica. Estudo do uso da partícula “se”.
  • Aula 4: Sujeito: contrastes posicionais inglês-português.
    Das diversas posições possíveis do verbo em língua portuguesa, em comparação com a posição fixa ocupada pelo verbo na língua inglesa.
  • Aula 5: Sujeito: de dois explícitos a um oculto.
    Quando duas orações inter-relacionadas exibem o mesmo sujeito explícito em inglês, de que modo trabalhar em português para obter um texto mais elegante?
  • Aula 6: Formas em –ing, como traduzir?
    Nas formas terminadas em –ing estão embutidas diversas funções que é preciso descobrir para produzir um bom texto em português, pois suas traduções podem ser bem diferentes.
  • Aula 7: Object Complement – Predicativo do objeto: contrastes posicionais.
    Aqui também é preciso usar de bons pesos e medidas para saber onde colocar o predicativo do objeto em português. Sem dúvida, os critérios são diferentes nas duas línguas.
  • Aula 8: Possessivos, contrastes de uso inglês-português.
    Os regimes de uso do possessivo são bem diferentes nas duas línguas.
  • Aula 9: Artigos, contrastes de uso inglês-português.
    Assim como no caso dos possessivos, não há regras, apenas uso. E, em grande número de casos, são contrastantes.
  • Aula 10: Sujeito: de dois explícitos a um oculto.
    Quando duas orações inter-relacionadas exibem o mesmo sujeito explícito em francês, de que modo trabalhar em português para obter um texto mais elegante?
  • Aula 11: Participe présent: como traduzir?
    Nas formas terminadas em –ant estão embutidas diversas funções que é preciso descobrir para produzir um bom texto em português, pois suas traduções podem ser bem diferentes.
  • Aula 12: Attribut du complément d’objet – Predicativo do objeto: contrastes posicionais.
    Aqui também é preciso usar de bons pesos e medidas para saber onde colocar o predicativo do objeto em português. Sem dúvida, os critérios são diferentes nas duas línguas.
  • Aula 13: Possessivos, contrastes de uso francês-português.
    Os regimes de uso do possessivo são bem diferentes nas duas línguas.
  • Aula 14: On: um sujeito problemático.
    Não temos nada equivalente ao on francês. Querer traduzi-lo de uma só forma é inútil. Quais os critérios para descobrir a melhor maneira de traduzi-lo?
  • Aula 15: Dont e seus segredos.
    As versáteis posições do dont determinam diferentes traduções e modos de tratar esse pronome relativo. Suas diversas facetas são muito interessantes.
  • Aula 16: Qui que: alguns mistérios e uma cilada.
    Apesar das formas diferentes, a tradução desses dois pronomes relativos está longe de ser uniforme.